Entrevista: PC de Oliveira, ex-técnico do Corinthians e seleção

17/04/2014

Junho de 2009, ali começava a era Paulo Cesar de Oliveira no futsal do Sport Club Corinthians Paulista. Até então campeão mundial com a seleção brasileira de futsal em 2008, PC de Oliveira chegou com status e muita expectativa por parte de atletas, diretoria, comissão e torcida. Dentre suas metas, a primeira seria deixar o Departamento de Futsal alinhado ao Futebol Profissional. E PC conseguiu. Aos poucos o novo comandante buscava alternativas para que o futsal do Timão fosse uma potência, dentro e fora das quadras. Durante sua passagem pelo Parque São Jorge, PC acumulou quatro títulos: o Paulista e Universitário em 2009, Metropolitano e Taça Brasil de Clubes, em 2010. Mas em contrapartida, o elenco amargou algumas eliminações fora dos planos. Atualmente na Europa, PC deseja sucesso ao novo comandante do Corinthians, Lucas Chioro, seu auxiliar durante o período em que esteve no Parque São Jorge: Qual o principal balanço que você faz durante o período em que ficou no Corinthians? “Consegui o que realmente interessa para o esporte, mas não consegui o mais importante para o clube. Hoje o Corinthians tem uma das principais estruturas de futsal do Brasil. Infelizmente não conquistar a Liga Nacional colocou em dúvida a viabilidade do projeto. A volta do Lucas deve reconduzir o clube ao projeto original. A visão dele é muito moderna e vencedora. O Lucas muito em breve será o principal treinador de futsal do Brasil”. Como você vê o futsal paulista hoje (em relação a 2009, quando voltou para cá)? “SP voltou a ser o principal centro de futsal do país. A Liga Paulista é um exemplo para os demais estados do Brasil. O Laércio está fazendo um grande trabalho”. Quais seus planos para 2014? O que o torcedor pode esperar de P C de Oliveira? “Estou residindo até maio em Madri (Espanha), fazendo o Curso Superior de Formación de Directores Deportivos da Real Federación Española de Fútbol. Coincidiu com o 4º Seminário FIFA de Futsal do qual participamos eu e o Eduardo V. Basso (Morruga), como instrutores de futsal da FIFA. Além de conhecer os principais modelos de gestão de futebol da Espanha e Europa em geral, tenho acompanhado os jogos da Champions e por sorte ainda verei duas semifinais. Tenho comprovado pessoalmente o nosso atraso na área de treinamento desportivo. Visitei equipes onde o futsal faz parte da programação de treinamento até o sub17 com 2 sessões semanais, seguido do futebol 7 e do futebol 9. Quando voltar ao Brasil gostaria de dividir este conhecimento e tudo o que envolve a atual metodologia europeia de treinamento e competições, além da gestão é claro”. Sobre o atual momento ‘extra-quadra’ do futsal brasileiro, como avalia esta nova fase: “Com muita preocupação, como todo o resto do mundo, já que somos um termômetro mundial. Estou orgulhoso destes atletas que resolveram lutar pelo esporte e pela lisura no comando da CBFS. Este movimento é histórico e vai mudar futsal brasileiro para sempre. Está estruturado, com f